Pesquisar este blog

Antes e depois do silêncio

 

Antes do silêncio,

muito depois dos conceitos,

caminhando indiferente

 entre as ideias que fazemos de tudo;

está o que ignoramos,

e é indiferente a nossa verdade particular;

está ali, caminha feito a morte imparcial e fria,

ceifa nossas vidas junto com tudo que pensamos dela. 


Somos na mente o que pensamos ser,

no entanto, não somos nada!

porque tudo que pensamos ser não é mais que miragens 

de pensar que é. 


Antes do silêncio

é preciso ser unidade, é preciso ser simples,

a unidade de ser é um passo para o silêncio,

e depois do silêncio saberemos que não houve silêncio

porque Deus mora no silêncio, 

se houvesse silêncio não haveria Deus que é o verbo eterno,

como também não houveria tempo se não houvesse matéria,

porque tempo é matéria ocupando e desocupando espaço,

feito um bailarino dançando ao som do verbo eterno.

Também não haveria verdade,

porque a verdade mora depois do silêncio,

e pode caminhar indiferente aos nossos conceitos

que são fumaças que se dissipam no ar,

fantasma sem forma e sem consistência.  


Deus existe em contrapartida com tudo que não existe,

como é impossível afirmar o que não existe

sem a contrapartida de algo que existe, 

logo Deus existe

com a força descomunal que se afirma em tudo que existe. 

Deus existe na doçura de um canto de pássaro,

na fúria de um vulcão,

e se afirma em tudo que se vê,

e vibra em tudo o que é vida e morte.  


O conceito pode ser  uma via até

a fronteira da verdade e do silêncio,

depois não há silêncio  porque Deus é o verbo.

nunca houve silêncio; 

Deus vibra em tudo,

e tudo que vibra tem som.   

Nunes 



Literatura Imparcialista Espiritualista



Publicações e literatura. A poesia Imparcialista, a partir de 2018 se tornou, definitivamente, literatura espiritualista. O Imparcialismo foi criado a partir de 2006, e tinha o propósito de realizar a leitura do contexto contemporâneo, para depois caminhar para a literatura Imparcialista Espiritualista, como é atualmente.




@JosNunesPereir2

José Nunes Pereira - Nunes

Poeta criador da Literatura Imparcialista Espiritualista
BRASILIngressou em janeiro de 2019





Antes de morar no coração.

 



Antes de morar no coração. 

Sementes e folhas vão ao sabor dos ventos,

mas, ainda assim, conserva sua consistência de ser. 

Porém, o espírito,  deixado ao sabor dos pensamentos,

se dispersa, se multiplica e perde a consistência de ser.   


É preciso autoafirmar-se;

 é  questão de existir, 

possuir consistência, essência

e "centro de gravidade permanente"


Até mesmo um escravo 

deve autoafirmar-se,

mesmo que seja a sua condição de escravo,

para que saiba por onde começar

a revolução e a liberdade.


Até mesmo o fracassado deve

autoafirmar-se para que saiba

 o que evitar e por onde prosseguir. 


O homem deve consolidar-se

de modo sintético e mais simples possível

para que sua alma viva muito próximo do silêncio. 


Depois de resumido e consolidado,

o homem, definitivamente, pode habitar o seu próprio peito,

que é sua única fonte da verdade 

que brota do silêncio e do som do coração. 


Depois do silêncio, resta mais silêncio...

O silêncio diz a verdade,

mas as palavras não podem transmiti-lo;

a verdade é semelhante a água e o pão 

que  mata a sede e a fome 

de quem pode beber e comer por conta própria. 


A verdade é silêncio para quem não encontrou a verdade,

do mesmo modo que o pão e a água 

é fome e sede para quem não pode comer e beber. 

Nunes 

Fogo Sagrado

 A vela no altar

na Igreja de Nossa Senhora do Carmo,

as velas acesas no altar,

é luz da alma,

luz que ilumina o caminho dos vivos e dos mortos,

é o candelabro de sete velas de Moisés,

são os olhos de Deus sobre a terra,

é o velho culto ao Fogo Sagrado,

é o eterno espírito do fogo

de todos os povos,

é a luz do mundo que nunca se apaga. 

Nunes

A Dança do espírito com a matéria






A Dança do espírito com a matéria 

 Sobre o altar a chama da vela

dança ao sopro do vento

e na vibração do som 

dessa música no espaço.


Sobre a mente,

o conceito delimita o pensamento  sobre todas as coisas,

a imaginação vai além das fronteiras dos conceitos,

porém o silêncio dança com os átomos,


Não importa o que penso sobre as coisas.

Há guerra e paz por causa de conceitos,

depois vem o silêncio dizer uma verdade

que não respeita os limites das ideias.


A minha Filocalia está sobre o altar,

ela me ensina a deixar o corpo,

desprender dos conceitos

e me diz que o espírito jamais deixou de existir na matéria,

mesmo que o homem, tentando se apartar de Deus,

tenha conceituado que existe matéria e espiritualidade separadas.


A matéria não deixa o espírito nem mesmo com a morte,

a morte é um espírito sobre a matéria

onde morte é a passagem para outras formas de vidas;

A vida se alimenta da morte,

e a morte se alimenta da vida,

o que chamamos de morte são outras formas de vidas,

Assim, o espírito de vida e morte 

jamais se aparta da espiritualidade. 


O desejo de pecado dos homens apartou, através de conceitos, 

a matéria do espírito,porém, 

o espírito jamais apartou da matéria para atender 

os caprichos  dos homens pecadores de qualquer tempo. 

Espírito e  matéria dançam e vibram no mesmo vento,

no mesmo som que vibra no espaço.  


O homem é feito de terra

e sobre a terra está os sete olhos do espírito de Deus;

sete velas no candelabro de Moisés.

Nunes  

O Amor não é amado!

 



O Amor não é amado! 

                   São Francisco de Assis 


Eu tenho amado o próprio amado,

Eu tenho amado o próprio amor encarnado. 


Há tantas forças que nos movem 

e para tantos lados...

que desse modo ficamos

sendo jogados pelos quatro cantos, 

 dentro desses redemoinhos de muitos sentimentos.

Quero ser movido pelo seu amor,

queria seguir somente seus passos e sua vontade.


Não quero que nem um movimento

coloque dúvidas e esquecimento entre o nosso amor.

Posso respirar o amor,

posso me guiar por esse raio de amor

que nasceu em meu coração 

embebido de amor por ti. 


Esse raio que  um dia transpassou meu peito

e incendiou meu coração de amor e paixão 

pelo teu amor que é a própria fonte de amor e vida.


Tudo em mim morre e nasce pelo teu amor.

Eu tenho amado o próprio amado,

Eu tenho amado o próprio amor encarnado. 

Nunes  

 

Impossível não ter um poema

 Caminho por essa paisagem interior,

caminho nas profundezas interior

e é impossível não ter um poema

para ser escrito.


É impossível não ter uma pedra

e uma árvore

que não cante pelo poros

um poema que ainda não foi escrito. 


É impossível não ter um poema

em algum lugar.    

Nunes 



Projeção

 Não fui longe,

nunca sai desse lugar,

apenas projetei para o futuro,

para outro lugar,

para outro tempo,

para outro corpo

tudo que eu poderia viver

nesse lugar e na sua companhia...

Projetei uma vida para ser vivida

longe dessa realidade cotidiana

 por não me querem preso a essa realidade,

porém fiquei preso a uma ilusão projetada 

em um mundo abstrato. 

Acordei dessa ilusão

e tenho a realidade palpável

e a projeção realizada desse corpo e nesse lugar.

Nunes  

Base de apoio da alma




Base de apoio da alma

A base de apoio da alma

é um ponto,

um posto,

uma palavra

de silêncio e comunhão com Deus.


A base de apoio da alma 

não é um pensamento,

não é uma ideia, 

não uma crença.


É um ponto de concentração

e de silêncio no coração

que aprofunda na comunhão com Deus.


Silêncio é só um modo de explicar 

a ausência de pensamentos,

O silêncio não existe; 

Deus é o próprio verbo,

Deus é também esse o som que vibra no espírito. 


O coração é a guarita da alma.

Um espírito vigilante

se faz da ausência de pensamento

e da comunhão com Deus.

Nunes 

 

Pedra que fala



Pedra que fala


 Já fui fumaça,

nuvem, neblina vento,

hoje sou pedra, sou sólido, consistente, 

porém, sou pedra que rola,

pedra que desaba,

pedra que a chuva e o vento desbasta,

sou pedra que fala.

Sou pedra com aura, alma e espírito, sólido. 

Já fui do signo vaporoso,

hoje sou terra calma, 

vulcão adormecido que desperta.

Nunes 

07-05-2021


Movimento Solar

 



Movimento Solar

Até mesmo a sombra dessa árvore

onde o monge  se sentou para meditar

é criação do Sol.


O Sol é a fonte de vida

o homens são frutos do Sol

a alma, o giro das vértices da alma

são movidos pelo Sol.


O Sol é a máxima expressão de Deus

aos olhos dos homens

é a máxima manifestação da Luz,

o alimento dos sois da alma

dos giros das vórtices da alma

que lança o espírito para além desse plano,

que  ilumina a noite escura do espírito.


O homem que se coloca sobre a luz do Sol,

alimenta seus girassóis da alma,

Está sobre a luz do altíssimo,

e a luz nunca se associa com as trevas.


A luz desce nas trevas para ser luz

dentro dos labirintos no coração dos homens. 

Não olhe para as trevas,

nem mesmo para a penumbra da alma.


Olhe para a luz,

quem desce aos porões e se deixa engolir pela escuridão

não leva dentro de si o movimento do Sol

que leva a luz do sol para dentro dos porões escuros da alma.

Nunes