Duas Panteras

Duas panteras  negras
Deitadas, calmas, ao pé do umbral.
A velocidade da corrida
Me põe em outro estado de alma
Em outra dimensão.

Na velocidade sobre dois pés,
Na velocidade sobre duas rodas
Quando atinge o máximo de velocidade,
Salto para outro plano.

Os redemoinhos na alma
Giram com toda intensidade
E me coloca em um plano muito mais sútil.

O canto de um grilo, o canto de um pássaro
Também me colocam em outro plano da consciência.
Salto um, dois, três planos, como se saltasse uma escada.

J.Nunes  

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Movimento Solar

Guerra biológica cibernética

PRESENÇA