Pesquisar este blog

sábado, 11 de julho de 2020

Os Imparcialistas


poeta José Nunes Pereira
Nunes 



Os Imparcialistas 

Eu que pensava que os poetas imparcialistas não existiam,
Pelo fato de eu ser um deles e não possui existência sólida,
Me deparei com um sujeito que em uma frase foi síntese
Daquele poeta frouxo de moralidade,
Fracassado em todos os sentidos, leviano
Fingindo leveza e serenidade na vida.

É claro que me refiro ao malabarista da moral,
Hermínio Vasconcelos.
Um sujeito dizia a uma mulher madura
E no auge das desilusões amorosas:
_ Você só não está comigo porque você não quer!
Se quiser é só me procurar!...
Quem mais poderia ser tão leviano e tão Frouxo na moral?
Somente ele Hermínio Vasconcelos...

Eu sei que somos o abstrato desse cara metido a filosofo de boteco e zona!
Esse cara que hora é plano e óbvio como um cristão
Quando é Francisco Medeiros, outra hora é holístico quando é
Saulo Menezes Castro, outra hora é da força descomunal quando
É Saturnino Queiros, outra hora é esse, outra hora é aquele...
E por fim não catorze e um outro que desconhecemos
Porque vive lá nos infernos, e de lá esse tal de J.Nunez
Ainda não teve coragem de arrancá-lo.
Se ainda são me apresentei, sou um deles: Salomão Alcantra,
O mais imparcialista e o mais cruel dos poetas imparcialistas...
Minha crueldade vem da franqueza, do realismo e da frieza em acarar-nos.
O que eu posso dizer a nosso favor e a favor de nosso movimento literário
É que só O tempo poderá nós tornar valiosos, geniais ou ridículos.

Salomão Alcântara

Nenhum comentário:

Postar um comentário

COMPARTILHAR