Pesquisar este blog

quinta-feira, 9 de janeiro de 2020

Nas ruínas do templo

Resultado de imagem para igrejinha abandonada

Nas ruínas do templo 

Se você veio até aqui,
Pelos mesmos caminhos que passei,
Certamente você viu...
As cruzes e as encruzilhadas onde morri um pouco a cada dia.

Certamente você viu...
Onde caminhei altivo, onde me arrastei feito
Um soldado ferido sangrando.

Certamente você viu...
A árvore, a sombra onde parei para descansar.

Certamente você viu...
Formar no céu, nuvens baixas e negras
Prenunciando á  tempestade...,
E os relâmpagos de descobrimentos 
larearem à face oculta de tua mente.

Certamente você ouviu...
No deserto, o ruivo de cães famintos
E de corvos insaciáveis de carniça humana.

Certamente você viu...
As ruínas do templo, os desertos de sal
E a solidão tempestuosa dos mares.

Certamente você passou
Pela noite de seduções de demônios fornicários.

Certamente você viu...
As asas do cavalo dragão, a visão do paraíso
E os símbolos oníricos.

Certamente você viu...
Humanos largados aos vermes
Ossadas largadas à terra e as pegadas do Mestre.

Certamente você perdeu e encontrou,
E voltou a perder os companheiros a caminho.

Certamente você viu o céu se abrir
E revelar o porvir da humanidade.

Certamente você se viu vestindo com qualquer coisa
Porque estava nu e descalço; 
Sem saber para aonde ir.

Certamente você viu...
Que a vida e a matéria são miragem,
E que o espectral é sólido.

Certamente você viu o horizonte rasgado,
E para além do explicável o angustiante caminho sem fim.

Certamente apareceu os cemitérios,
Simbologia clara, de que temos que morrer...

Certamente você viu
A oxidação da matéria aqui dentro da eternidade.
Certamente você me vê
A caminho sangrando.

Certamente ainda virá A Noite Escura da Alma 
De São João da Cruz. 

Nunes

Nenhum comentário:

Postar um comentário

COMPARTILHAR