Pesquisar este blog

sábado, 4 de janeiro de 2020

Melancólicos


Acabei de te amar...
Amanheceu!
Deixe o dia correr entre os lençóis,
É fim de semana, são dias de inverno.

À tarde, lá na rua,
Gritos alienados de gol...
Ela dizia, quase displicente, sem exaltar o humor:
_Salários exorbitantes, fruto da exploração de mercados
E da criação de ídolos nas mídias, semideuses ensinam  
O que a sociedade deve fazer:
Imitar como se fossem papagaios e macacos.
Cultura globalizada, sobressai a indústria
De cultura comercial imediata.

Logo mais à noite
A MPB de Djavan num violão afinado,
E o sax do John deixará na noite
Aquele ar de Nova Orleans.
Ao som do Blues e MPB, conversaremos
Com aquela felicidade melancólica à meia luz.

Nosso amor intelectual,
Signo de gêmeos, na mesa do bar.
Nosso amor, escorpiano a sós.
Quando despontar o sol,
Feito pássaros
Deixaremos à estação desse lugar.

Minha sacerdotisa das ruelas escuras! 
Olha o tempo corroendo minha cara seca,
Tenho inquietude de ser um daqueles
Homens sagrados do Tibet,
Ou mesmo da Igreja Católica. 

Nunes

Nenhum comentário:

Postar um comentário

COMPARTILHAR